Belo Monte: Não há nada de verde ou sustentável nessas mega-barragens

Natureza como Bem Público com Ailton Krenak e Cristina Adams (Julho 2019).

Anonim

Existem poucas represas no mundo que capturam a imaginação tanto quanto Belo Monte, construída sobre a "Big Bend" do rio Xingu na Amazônia brasileira. A sua construção envolveu um exército de 25.000 trabalhadores trabalhando ininterruptamente desde 2011 para escavar mais de 240 metros cúbicos de solo e rochas, despejar três milhões de metros cúbicos de concreto e desviar 80% do fluxo do rio através de 24 turbinas.

Custando R $ 30 bilhões (R $ 5, 8 bilhões), Belo Monte é importante não apenas pela escala de sua construção, mas também pelo escopo de oposição a ela. O projeto foi proposto pela primeira vez na década de 1970, e desde então, as comunidades indígenas locais, a sociedade civil e até mesmo as celebridades globais se engajaram em numerosos atos de ação direta e indireta contra ele.

Enquanto encarnações anteriores foram canceladas, Belo Monte está agora nos estágios finais de construção e já fornece 11.233 megawatts de energia para 60 milhões de brasileiros em todo o país. Quando concluída, será a maior usina hidrelétrica da Amazônia e a quarta maior do mundo.

Um projeto 'sustentável'?

A barragem será operada pelo consórcio Norte Energia (formado por várias concessionárias de energia do estado) e é fortemente financiada pelo BNDES. Os apoiadores do projeto, incluindo os governos do Partido dos Trabalhadores, que estiveram no poder entre 2003 e 2011, justificaram sua construção por motivos ambientais. Eles descrevem Belo Monte como um projeto "sustentável", vinculando-o a políticas mais amplas de mitigação das mudanças climáticas e uma transição para longe dos combustíveis fósseis. As afirmações sobre a sustentabilidade da energia hidrelétrica não são vistas apenas no Brasil, mas podem ser encontradas em todo o mundo - com grandes barragens apresentadas como parte de agendas mais amplas de desenvolvimento sustentável.

Com a energia hidrelétrica representando 16, 4% da capacidade energética global total instalada, as represas hidrelétricas são uma parte significativa dos esforços para reduzir as emissões de carbono. Mais de 2.000 desses projetos são atualmente financiados pelo Mecanismo de Desenvolvimento Limpo do Protocolo de Kyoto de 1997 - perdendo apenas para a energia eólica pelo número de projetos individuais.

Embora isso forneça às megabares um selo ambiental de aprovação, ela ignora seus inúmeros impactos. Como resultado, as barragens financiadas pelo MDL são contestadas em todo o mundo, com movimentos populares de oposição destacando os impactos desses projetos e desafiando sua sustentabilidade.

Colina bonita, ao monstro bonito

Aqueles que estão contra Belo Monte destacaram seus impactos sociais e ambientais. Um influxo de 100.000 operários de construção e serviços transformou a cidade vizinha de Altamira, por exemplo.

Centenas de trabalhadores - incapazes de encontrar emprego - passaram a dormir nas ruas. Os narcotraficantes também se instalaram e o crime e a violência aumentaram na cidade. A taxa de homicídios em Altamira aumentou 147% durante os anos de construção de Belo Monte, tornando-se a cidade mais mortal do planeta em 2015.

Em 2013, a polícia invadiu um prédio perto do local da construção para encontrar 15 mulheres, mantidas contra sua vontade e forçadas a fazer sexo. Os pesquisadores descobriram mais tarde que as horas de pico de visitas ao seu prédio - e outras - coincidiam com o pagamento de quem trabalhava em Belo Monte. À luz desse trauma social, os atores da oposição deram ao projeto um novo apelido: Belo Monstro, que significa "Monstro Bonito".

A construção de Belo Monte está ainda ligada a padrões crescentes de desmatamento na região. Em 2011, o desmatamento no Brasil foi mais alto na área em torno de Belo Monte, com a barragem não apenas desmatando a área imediata, mas estimulando novas invasões.

Na construção de estradas para transportar pessoas e equipamentos, o projeto abriu a área mais ampla da floresta tropical à invasão e ao desmatamento ilegal. O Greenpeace vinculou o desmatamento ilegal em reservas indígenas - a mais de 200 quilômetros de distância - à construção do projeto, com a madeira posteriormente vendida para os que construíram a barragem.

O sucesso passado do Brasil em reverter as taxas de desmatamento se tornou uma parte fundamental do movimento ambiental do país. No entanto, recentemente, o desmatamento aumentou mais uma vez, levando a críticas internacionais generalizadas. Com a crescente conscientização do problema, as ligações entre a energia hidrelétrica e a perda da floresta amazônica desafiam a viabilidade continuada de Belo Monte e projetos semelhantes.

Grandes barragens, grandes problemas

Enquanto o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo se concentra na redução das emissões de carbono, negligencia outros gases de efeito estufa emitidos pela energia hidrelétrica. Grandes represas efetivamente emitem quantidades significativas de metano, por exemplo, liberadas pela decomposição de plantas e árvores abaixo da superfície do reservatório. Embora o metano não permaneça na atmosfera por tanto tempo quanto o dióxido de carbono (persistindo apenas por até 12 anos), seu potencial de aquecimento é muito maior.

Belo Monte tem sido associada a essas emissões de metano por vários atores da oposição. Outras pesquisas descobriram que a vegetação apodrecendo nos reservatórios de barragens em todo o mundo pode emitir um milhão de toneladas de gases de efeito estufa por ano. Como resultado, alega-se que esses projetos estão - de fato - fazendo uma contribuição líquida para as mudanças climáticas.

Longe de fornecer uma solução sustentável de energia renovável em um mundo que muda o clima, Belo Monte é visto como um exacerbador do problema que deve ser resolvido.

Belo Monte é apenas uma das muitas barragens em todo o mundo que foram justificadas - e financiadas - como atividades sustentáveis. No entanto, isso confunde os fins com os meios. A hidroeletricidade pode parecer relativamente "limpa", mas o processo no qual uma mega-barragem é construída está longe disso. As credenciais ambientais desses projetos permanecem contestadas, com a Belo Monte fornecendo apenas um exemplo de como o rótulo de sustentabilidade pode finalmente estar diminuindo.

menu
menu